Pontos Turísticos



Wôlmer Ezequiel
I005296.jpg
Antiga Escola Técnica de Metalurgia

Antiga Escola Técnica de Metalurgia

Tombada pelo Decreto 3.856 de 10/04/2008.

Foi criada pela Cia Acesita em 1952-1953, em convênio com o SENAI para suprir a demanda da empresa por mão de obra na região. Inicialmente a escola funcionava nas próprias dependências da empresa. Em 1963, foi inaugurado a prédio que hoje é tombado para abrigar a escola, que atendia com vários cursos de interesse da Acesita. Em 1994, a escola técnica foi desativada, passando o prédio tombado para a administração da Prefeitura de Timóteo.

 


Wôlmer Ezequiel
I005297.jpg
Escola Estadual Percival Farquha

Escola Estadual Percival Farquhar

Tombada pelo Decreto 3.857 de 15/04/2008.

Em 1983, a Prefeitura de Timóteo contratou o arquiteto mineiro Éolo Maia para a elaboração do projeto para o grupo Escolar Vale Verde. Éolo elaborou construções em estruturas autoportantes de tijolos maciços, técnica que era muito usada na região para os fornos de produção de carvão vegetal.

 


JVA
I005298.jpg
Chafariz e Olho D´água – Biquinha

Chafariz e Olho D´água – Biquinha

Tombado pelo Decreto 1285, de 22/04/1988

Conforme depoimento de Dona Sudária de Jesus, antiga moradora da vizinhança da biquinha, o local “era um bicão, ou melhor, duas bicas grandes d´água, uma pequena cachoeira que nascia no meio das pedras”. O terreno da biquinha pertenceu primeiramente ao Sr. José Adão. A rua de acesso a biquinha era cheia de barracos e casas que surgiram como posse. Pelo que se tem noticia o lugar começou a ser ocupado a partir de 1900. Os primeiros moradores da redondeza foram Raimundo Claudino, Tonico Lunga, Antônio Claudino, José Emídio e Manoel Mariano (vulgo Manoel Bentinho).

Nesse período não havia abastecimento de água encanada nas casas, logo as pessoas iam até a biquinha buscar água para uso doméstico. A biquinha se situa na Rua José Moreira Bowen, mas conhecida como “rua da biquinha”, o que comprova como o bem ainda é uma forte referência para a comunidade.

 


Wikimediaali
I005299.jpg
Grupo Escolar Getúlio Vargas

Grupo Escolar Getúlio Vargas

Tombado pelo Decreto 3.857, de 15/04/2008

Endereço: Avenida Juscelino Kubitschek, 50, bairro Funcionários.

O grupo escolar foi criado em 1948, destinado ao ensino primário. Inicialmente atendia aos filhos dos funcionários da empresa Acesita, que havia se instalado pouco tempo no município e necessitava de infraestrutura adequada para o seu bom funcionamento.

Atualmente a instituição de ensino é de responsabilidade do Estado. A construção da escola é térrea e se encontra em terreno acima do nível da rua, tem fachada simétrica, com arremates de frisos horizontais em massa. Na entrada principal tem-se volume destacado em frontão triangular, com cobertura de relhas francesas e beiral de cimalha. A estrutura é de concreto e as paredes de tijolos cerâmicos maciços, usadas nas construções naquele período.    

 


Evandro Rodiney
I005301.jpg
Parque Estadual do Rio Doce

Parque Estadual do  Rio Doce (Perd)

Protegido em nível estadual pelo Decreto 1.119, de 14/07/1944

O Parque Estadual do Rio Doce (Perd) é hoje a maior reserva contínua de Mata Atlântica em Minas Gerais. Tem uma área de quase 36 mi hectares entre os rios Piracicaba e Rio Doce. Engloba três municípios: Marliéria, Timóteo e Dionísio.

Quase metade do território do município de Timóteo integra o Parque, e 14, 17, do Perd fazem parte do município. A área possui extrema importância na região, pois, além de abrigar várias espécies nativas da fauna e flora da Mata Atlântica, ajuda a conter o impacto causado pela inevitável poluição proveniente das atividades siderúrgicas e metalúrgicas do Vale do Aço. Tem importante papel de renovação de oxigênio na região que abrange os municípios de Timóteo, Coronel Fabriciano, Ipatinga e Santana do Paraíso, contribuindo para o equilíbrio climático.

As primeiras iniciativas no sentido de se preservar a área do atual Perd surgiram com Dom Helvécio Gomes de Oliveira, em 1931, quando ele, então arcebispo de Mariana, realizou visita pastoral a Marliéria. Em março de 1936, o então governador do estado, Benedito Valadares, em apoio ao projeto do bispo, realizou demarcação de 32 mil hectares, constituindo o Parque Florestal. O Parque foi oficialmente criado pelo Decreto nº. 1.119, de 14 de julho de 1944. Desde 1962 o Perd é administrado pelo IEF – Institudo Estadual de Florestas. Por Timóteo é feito o principal acesso ao Parque do Rio Doce.

Patrimônio Natural: O parque é composto por árvores centenárias, madeiras nobres de grande porte e uma infinidade de animais nativos, como: beija-flor, quero-quero, besourinho, chauá, jacuaçu, saíra, anumará, capivara, anta, macaco-prego, paca e cotia. Além das espécies ameaçadas de extinção, como a onça-pintada, jacaré-de-papo-amarelo, o macuco e o mono-carvoeiro, maior primata das Américas.

O parque possui um herbário que, de forma sustentável, possibilita a identificação de espécies por meio da análise de suas características morfológicas, constituindo a base de pesquisas taxonômicas. Há estudos sobre a influência de espécies exóticas de animais que têm colaborado com mudanças nas cadeias alimentares, como tucunaré, a piranha e o apaiari.

O sistema hídrico do Perd é formado por cerca de 50 lagoas no seu interior e outras 80 em seu entorno. Dentre seu complexo de lagos, destaca-se a Lagoa Dom Helvécio, com 6,7 Km2 e 32,5 m de profundidade. De maneira geral, grande parte dos corpos d’água que compõem o sistema de lagos tem sofrido algum tipo de impacto, seja pelo uso da água ou pela modificação da paisagem. As lagoas estão preservadas apenas na área onde se encontra o Parque, e a paisagem no entorno encontra-se inalterada.

 

Monumentos culturais e turísticos do Município de Timóteo


DAn
I005302.jpg
Casarão da Rua Mateus Araújo – Casa da Memória

Casarão da Rua Mateus Araújo – Casa da Memória

A Casa da Memória é a edificação mais antiga de Timóteo, ainda preservada, construída em 1922, com paredes de pau a pique, telha cumbuca, forro de taquara trançada, piso e esquadrias de braúna, carvalho, garapa e outras madeiras de lei típicas da região. Jorge Dias Duarte a construiu com oito cômodos, para servir como residência. Após muitos anos o imóvel foi restaurado e inaugurado, em 2004, como Casa da Memória e Pesquisa do Legislativo.

 


Aperam
I005303.jpg
Centro Cultural da Fundação Aperam Acesita

Centro Cultural da Fundação Aperam Acesita

O Centro Cultural da Fundação Aperam Acesita foi inaugurado em 31 de outubro de 1994 e está localizado na antiga Casa de Hóspedes da então Acesita. O imóvel, que foi erguido na década de 1950, foi totalmente adequado para sua nova finalidade e possui 2.500 m2 de área construída. O prédio abriga um museu da empresa, área de exposição, teatro, salas que podem ser utilizadas para cursos e oficinas, bem como jardins e um grande bosque onde são realizados eventos variados, como Festival Arte Viva.


Ineiza Karla
I005311.jpg
Coliseu

Coliseu

O Coliseu, na praça do bairro Timirim, foi elaborado pelo